Posts tagged ‘mestrado’

MODELO DE CURRÍCULO EM T.I

curiosidades-cv[1]
Apoio: http://compre.vc/v2/760e75f4

Para ter um currículo devidamente elaborado para a área de Tecnologia da Informação, é indicado que o profissional destaque sua experiência em ferramentas e linguagens técnicas, desenvolvimento de sistemas e aplicações, codificação de programas e implantação de projetos, desde aplicativos básicos aos específicos. Tais conhecimentos tornarão o currículo mais atrativo e focado na área de interesse.

Clique aqui e baixe um modelo de CV para esta área, e quando estiver pronto, não se esqueça de buscar oportunidades de vagas em TI aqui!

Fonte: http://www.catho.com.br

Sucesso em seus negócios,

Anúncios

21/04/2012 at 20:50 Deixe um comentário

AO DESENVOLVER COMPETÊNCIAS, TCC PODE DAR UM IMPULSO NA CARREIRA

O mercado de trabalho está, sim, cada vez mais competitivo. Profissionais com experiência, com cursos de especialização, MBAs, línguas, vivência internacional, trabalho voluntário, mestrado profissionalizante… Percebe-se, então, que a carreira deve começar o mais cedo possível e, por que não ainda na faculdade, desenvolvendo um TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) que pode diferenciá-lo lá na frente?

COMO-ELSABORSAR-UM-TCC-001[1]

 

De acordo com o diretor-geral da Trabalhando.com, Renato Grinberg, o TCC pode ajudar de diferentes formas, mas é mais interessante desenvolver um tema que tenha aplicabilidade no mundo profissional. A professora doutora da PUC-SP, Nena Gerusa Cei, também recomenda que o tema escolhido “esteja adequado ao ramo que se pretende trabalhar”.

Mas, na prática, como esse trabalho, normalmente feito no último ano da faculdade, pode ajudar o profissional? Grinberg explica que o TCC permite que o estudante desenvolva diversas competências. “No TCC a pessoa trabalha com diversos fatores, como o trabalho em grupo, a pesquisa, o dead line, o trabalho sob pressão”, diz Grinberg, ressaltando que são elementos valorizados por todas as empresas.

O diferencial
Essas competências serão um diferencial, sobretudo para aqueles que não têm experiência profissional. Tendo se dedicado ao TCC o estudante consegue falar em uma entrevista de emprego sobre as competências que desenvolveu durante o projeto, os desafios que enfrentou e como lidou com eles, e o que aprendeu com o tema.

Para os que já estão no mercado de trabalho, o aproveitamento pode ser ainda maior. Grinberg sugere que o tema do TCC seja baseado em algum problema da área de atuação, no sentido de encontrar uma resposta ou solução. “É interessante optar por um estudo de caso concreto, que ele queira solucionar”, concorda Nena.

Mas não esqueça que o assunto do TCC deve ser atraente para o aluno. “É muito difícil fazer um bom trabalho se o estudante não tiver interesse no assunto”, observa Nena. Outra recomendação é apresentar a ideia que pretende desenvolver para algum profissional com mais experiência, como o gestor da sua área, por exemplo. Ele pode, inclusive, mostrar um caminho que você não havia pensado, algo ainda mais interessante.

Nena ainda ressalta que o TCC ajuda os estudantes a se aprofundar em um determinado assunto, e é exatamente por isso que se deve escolher um tema relacionado a sua área de atuação. Na prática, se um aluno de administração que optou por seguir na área de supply chain, ao desenvolver um TCC baseado em uma questão desse segmento, estará complementando sua formação.

Dependendo do estudo de caso e dos resultados, a própria empresa pode querer utilizar a pesquisa. Caso tenha descoberto algum padrão interessante no comportamento dos consumidores, e isso de alguma forma possa influenciar uma ação de marketing, as empresas podem valorizar a produção do aluno.

Na maioria das áreas essa lógica se aplica. É possível discutir no TCC a parte tributária da empresa em que atua, ou mesmo a criação de um pequeno negócio, e, de fato, criá-lo. Porém, para qualquer caso, é importante, antes de escolher o tema, se certificar que terá acesso aos dados que pretende manipular, sejam informações específicas, fontes que possa falar sobre o tema, dados ou documentos.

Grinberg finaliza afirmando que os estudantes não precisam ficar tão preocupados com um tema absolutamente genial ou que se propõe a solucionar uma questão de um milhão de dólares. O mais importante serão as competências desenvolvidas ao longo da pesquisa, que são aplicáveis a qualquer tipo de emprego e valorizadas por todos empregadores. O empenho, a dedicação, a pesquisa, a busca por dados e o trabalho em equipe, por exemplo.

Fonte: http://www.trabalhando.com e Infomoney

Sucesso em seus negócios,

11/02/2012 at 13:04 Deixe um comentário

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESPECIALIZAÇÃO, MESTRADO E DOUTORADO?

FORMAÇÃO ACADÊMICA x FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Esses três tipos de formação são opções de pós-graduação com enfoques distintos. Os cursos de especialização que têm como exemplos mais conhecidos os MBAs, voltados para a área de administração de empresas são mais práticos e objetivos, visando um aprimoramento profissional.

Já o mestrado e o doutorado são cursos de longa duração e costumam ser escolhidos por quem busca formação acadêmica na área da pesquisa científica ou quer seguir carreira como docente.

A princípio, para lecionar em faculdades não é exigido que todos os profissionais tenham título de mestre ou de doutor. No entanto, como as universidades precisam ter, obrigatoriamente, um certo número de doutores em seus quadros, os profissionais com esses títulos conseguem melhores oportunidades de trabalho.

Os cursos de pós-graduação foram regulamentados oficialmente no Brasil pelo Ministério da Educação (MEC) em 1969.

E DEPOIS DO DIPLOMA?
Caminhos da pós-graduação podem levar a uma formação mais prática ou teórica

Especialização
Dentro da área lato sensu, a única opção de pós-graduação são os cursos de especialização – os MBAs são um bom exemplo. Eles costumam ser pagos, mesmo quando oferecidos em faculdades públicas. Para entrar nesses cursos, pode haver provas seletivas e entrevista

Lato sensu
Os cursos de pós-graduação lato sensu são mais práticos, rápidos e direcionados para o aperfeiçoamento da vida profissional do estudante

Graduação
Quem termina uma faculdade e pretende continuar os estudos tem pela frente dois caminhos básicos para seguir: fazer uma pós-graduação lato sensu- expressão latina que significa “em sentido lato, amplo” — ou stricto sensu (“senso estrito”)

Volte uma casa
Antes da apresentação pública da dissertação, o mestrando faz um exame de qualificação diante de uma banca formada por seu orientador e mais dois professores. Se o trabalho estiver bom, ele pode finalizá-lo e fazer a apresentação pública final diante da mesma banca. Se não houver a aprovação, dá para pedir mais tempo e melhorar o projeto

Mestrado profissionalizante
É um mestrado mais curto e prático, que dura em média um ano e meio e prepara seus alunos para o mercado de trabalho. Segue requisitos semelhantes ao mestrado acadêmico, mas oferece uma formação com ênfase na qualificação profissional

Mestre
Se a dissertação do mestrando for aprovada na apresentação pública diante da banca de examinadores, seu autor recebe o título de “mestre”. No Brasil, o mestrado é equivalente ao título Master of Science, dado pelas universidades americanas

Mestrado acadêmico
Dura em geral dois anos e meio. O mestrando cursa disciplinas e, com a ajuda de um professor orientador, escreve uma dissertação (tese) sobre o tema de sua escolha, que depois precisará ser apresentada a uma banca de examinadores

Stricto sensu
A pós-graduação nessa área é mais indicada para quem procura uma formação acadêmica sólida, podendo se tornar um professor universitário ou um pesquisador. Aqui começa o caminho que leva à obtenção dos títulos de mestre e doutor

Retorne ao ponto de partida
O primeiro passo para entrar num mestrado ou doutorado é apresentar seu projeto para uma comissão de seleção. Ela analisa o interesse e a abordagem do tema proposto. Se ele é aceito, o aluno começa o curso. Se for vetado, é preciso pensar em outro projeto

Pós-doutorado
Os doutores que quiserem continuar estudando ainda podem fazer esse tipo de pesquisa científica, que dura de seis meses a um ano. Para ter o auxílio de bolsas, é preciso submeter o projeto a órgãos que incentivam as pesquisas — como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)

Doutor
Após o projeto de trabalho ser aprovado pela banca final, seu autor recebe o título de “doutor”. No Brasil, isso equivale ao PhD, ou Philosophiae Doctor (“Doutor em Filosofia”), concedido no exterior – a doutores de todas as áreas e não só em filosofia

Descanse uma rodada
O doutorando, como o mestrando, também passa pelo exame de qualificação e pela apresentação final. Só que ele enfrenta um obstáculo pior. Como sua pesquisa tem mais profundidade e é inédita, ele necessita de um tempo maior, para ler muito mais e estudar muito mais. Uma banca de doutorado tem cinco membros: o orientador e quatro professores

Doutorado
Dura de quatro a cinco anos. O doutorando também assiste a aulas, tem um orientador e precisa defender seu projeto de trabalho diante de uma banca. Mas o nível de profundidade da pesquisa precisa ser bem maior e o tema, inédito. Embora seja raro, é possível fazer o doutorado sem passar antes pelo mestrado

Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-a-diferenca-entre-especializacao-mestrado-e-doutorado

Sucesso em seus negócios,

01/11/2011 at 11:03 1 comentário


Desde 14/10/2011

  • 22,279 visitantes